Anúncios

La media naranja no existe!

Posted: Fevereiro 27, 2012 in Rita Andrade
Etiquetas:, ,

“Nos hicieron creer que cada uno de nosotros es la mitad de una naranja, y que la vida sólo tiene sentido cuando encontramos la otra mitad. No nos contaron que ya nacemos enteros, que nadie en la vida merece cargar en las espaldas la responsabilidad de completar lo que nos falta. Nos hicieron creer en una fórmula llamada “dos en uno”: dos personas pensando igual, actuando igual, y que era eso lo que funcionaba. No nos contaron que eso tiene nombre: anulación. Y que sólo siendo individuos con personalidad propia podremos tener una relación saludable.

Nos hicieron creer que el matrimonio es obligatorio y que los deseos fuera de ese término deben ser reprimidos. Nos hicieron creer que sólo hay una fórmula para ser feliz, la misma para todos, y los que escapan de ella están condenados a la marginalidad. No nos contaron que estas fórmulas son equivocadas, frustran a las personas, son alienantes, y que podemos intentar otras alternativas. Tampoco nos dijeron que nadie nos iba a decir todo esto… cada uno lo va a tener que descubrir solo. Y entonces, cuando estés muy enamorado de ti mismo, podrás ser muy feliz y amar de verdad a alguien.

Vivimos en un mundo donde nos escondemos para hacer el amor… aunque la violencia se practica a plena luz del día.”

John Lennon

Terra Sonâmbula

Posted: Janeiro 2, 2012 in Rita Andrade
Etiquetas:,

Uma história que remonta à guerra colonial portuguesa em Moçambique. O caminho de um velho e de um menino que se cruzam através do som das armas e das bombas das batalhas entre portugueses e moçambicanos. A descoberta de um caderno que os vai unir e contar as vivências e mitos que toda esta cultura alberga, mediante relatos e estórias narradas na primeira pessoa. Uma obra de arte em livro e também em filme.

Mia Couto

Matthieu Ricard - Cientista/Budista

“O conceito de formação do universo pertence à verdade relativa, ao domínio das aparências. Em termos de verdade relativa, o budismo fala, então, de partículas de espaço que não representam objectos, mas um potencial de manifestação. Fala-se, depois, da expressão deste vazio pleno sob a forma de cinco sopros ou energias – prana em sânscrito. Estas energias manifestam-se sob a forma de luzes de cinco cores que se materializam, pouco a pouco, em cinco elementos – Ar, Água, Terra, Fogo e Espaço. A sua combinação dá origem a uma “sopa”, num oceano de elementos cuja “desnatação”, sob o efeito da energia inicial, produz os corpos celestes, os continentes, as montanhas, e finalmente, os seres vivos.

Eis como se forma o universo entre a infinidade dos que existem. No entanto, não se considera a questão de uma criação inicial porque a ideia de uma causa única é indefensável.”

in “O Infinito na Palma da Mão”

Trinh Xuan Thuan - Astrofísico

“Os físicos dizem-nos que o universo nasceu do vazio. Mas não se trata de um vazio calmo e tranquilo, desprovido de toda a substância e de actividade, que nós poderiamos imaginar: o vazio quântico é fervente de energia, mesmo sendo desprovido de materia. A energia do vazio primordial vai, então, lançar o universo numa louca expansão que os astrofísicos chamam inflação. Esta inflação cai arrastar um crescimento vertiginoso do volume de cada uma das suas partes num tempo infinitesimal. Entre 10 (-35) e 10 (-32) de segundo após o Big Bang, de dez milhões de milhares de milhões de vezes mais pequeno que o tamanho de um átomo de hidrogénio, o universo vai aumentar de forma exponencial até ao tamanho de uma laranja. Ao mesmo tempo, o universo dilui-se e arrefece consideravelmente, o que lhe vai permitir atingir a complexidade, representando uma longa ascensão de este conceito ao longo da sua história.

No principio era mais quente que todos os infernos imaginados por Dante, e nenhuma estructura podia tomar forma. E é devido a este arrefecimento que as estructura podem aparecer. A energia do vazio intervém de novo: dá origem à matéria. Einstein fornece-nos a a chave deste mecanismo através da sua fórmula E=mc2. Partículas elementares (quarks e electrões, por exemplo) surgem do vazio inicial e combinam-se entre si para formar átomos, moléculas, e finalmente, estrelas. As estrelas juntam-se às centenas de milhares de milhões de galáxias e estas centenas de milhares de milhões de galáxias do universo observável agrupam-se, dando origem a uma imensa tapeçaria no cosmo. O infinitamente pequeno deu à luz o infinitamente grande. Pelo menos numa destas galáxias, a Via Láctea, situada perto de uma estrela chamada Sol sobre o planeta Terra, as moléculas reúnem-se em cadeias de ADN que dão origem à vida, à consciência e a homens capazes de interrogar sobre o mundo que os rodeia e o universo que lhes deu origem.”

in “O Infinito na Palma da Mão”

Para uma melhor exemplificação da explicação no nascimento do mundo, ver documental intitulado Genesis.

Um Vertigo de Boas-Vindas

Posted: Outubro 1, 2011 in Rita Andrade
Etiquetas:, ,

"Vertigo" by Salvador Dali

Depois de um ano sabático do mundo dos blogs regresso à carga com Vertigo, o meu novo projecto virtualmente pessoal.

Uma nova partilha de ideias e impressões, uma troca de conhecimentos e atitudes. Um blog que será sobretudo ibérico, e onde os idiomas espanhol e português marcarão uma forte presença.

Este é o primeiro post… um post de boas-vindas ao mundo cibernético e aos internautas.

Aqui começa uma nova  página.